Agronegócio

ANTT e Rota do Oeste assinam TAC; Governo de MT está mais próximo de assumir concessão da BR-163

O Governo de Mato Grosso está mais perto de uma solução para os entraves relacionados à concessão da BR-163. Na tarde desta terça-feira (04.10), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Concessionária Rota do Oeste assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) visando a transferência do controle acionário da concessionária para a MT Participações e Projetos (MT Par), sociedade de economia mista ligada ao Estado.

A solenidade ocorreu no Palácio Paiaguás e contou com a presença do ministro de Infraestrutura, Marcelo Sampaio, dos ministros do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas e Jorge Oliveira, do diretor da ANTT, Rafael Vitale, o diretor-presidente da Concessionária Rota do Oeste, Júlio Perdigão, além dos senadores Wellington Fagundes, Margareth Buzetti e Jayme Campos. Ainda, diversos prefeitos de municípios ao longo da BR-163 e deputados estaduais.

O governador Mauro Mendes ressaltou que o Estado tem buscado, há anos, uma solução para os entraves envolvendo a BR-163, que, além de uma importante via para economia do Estado, também tem impacto significativo na vida da população.

“Buscamos soluções por compreendermos a importância que essa rodovia tem para Mato Grosso, não só para a logística, mas para a vida das pessoas. Muito mais do que fazer um negócio para o Estado de Mato Grosso, estamos fazendo uma ação para a vida dos mato-grossenses e a qualidade de vida da população”, destacou o governador.


A proposta do Governo é que a MT Par assuma o controle acionário da Concessionária, incluindo as dívidas e os investimentos relacionados à rodovia.

O secretário-chefe da Casa Civil, Rogério Gallo, explicou que, apesar da assinatura do TAC entre a ANTT e a Rota do Oeste, a proposta deverá se concretizar somente se o Governo conseguir a renegociação das dívidas envolvendo o empreendimento, que giram em torno de R$ 916 milhões.

“A transferência do controle acionário para a MT Par ainda depende da negociação das dívidas de financiamento com os bancos, sobretudo a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Precisamos que eles tenham a sensibilidade de observar que estamos tentando resolver um problema que é, acima de tudo, social”, explicou.

Leia Também

Comentários