Deputado bolsonarista quer evitar vacina obrigatória em MT

Presidente da AL, Eduardo Botelho, apresentou projeto pela vacinação obrigatória em MT

THALYTA AMARAL

Gazeta Digital

A vacinação da covid-19, que está prevista para começar na próxima quarta-feira (20), está dividindo os deputados estaduais na Assembleia Legislativa. De um lado, o presidente da Casa, Eduardo Botelho (DEM), que apresentou um projeto pela vacinação obrigatória. Do outro, Silvio Fávero (PSL) que quer garantir o direito àqueles que não quiserem se vacinar.

O primeiro a apresentar seu projeto foi Eduardo Botelho, ainda em 5 de janeiro. Para que a população se vacine, ele propõe que as pessoas precisarão comprovar a imunização para utilizar o transporte público, assim como para fazer matrículas em escolas públicas e privadas.

“É começar o quanto antes a aplicar a vacina, ou as vacinas, desde que autorizadas pela Anvisa, e verificadas suas eficácias, a toda à população. E de maneira universal e imperativa. Não há outra maneira de se debelar esse terrível vírus que nos assola”, diz trecho da justificativa.

Já o projeto de Fávero, apresentado em 14 de janeiro, proíbe que o Poder Executivo torne a vacina obrigatória, com exceção para as pessoas que apresentarem sintomas da covid-19.

“E diante desse cenário de insegurança, que pode colocar não só a saúde, mas como a própria vida em risco, é imperioso que a vacinação seja facultativa, e não compulsória, como determina o dispositivo legal arguido. A vacinação nesse caso será um verdadeiro teste em massa na população brasileira”, argumenta Fávero em seu projeto.