Política

Deputado de MT é denunciado no Supremo por espalhar fake news

Denúncia partiu do Ministério Público de Mato Grosso

Pablo Rodrigo

Gazeta Digital

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, será a responsável por analisar a denúncia do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) contra o deputado federal, José Medeiros (PODE), por disseminação de fake news. A denúncia assinada pelo procurador-geral de Justiça (PGJ), José Antônio Borges, foi protocolada na Corte Suprema no último dia 19 de agosto, sendo sorteada para Cármen analisar o pedido.

 

O motivo da representação se deve ao fato do deputado teria usado um procedimento investigatório de uma eleição realizada em dezembro de 2019, pela Associação Beneficiente de Saúde dos Militares de Mato Grosso, o Hospital Militar, para alegar que as urnas eletrônicas não seriam seguras e fácil de fraudá-las.

Os documentos sigilosos que Medeiros divulgou em suas redes sociais para colocar em xeque a segurança das urnas eletrônicas, está em segredo de justiça e saíram da Justiça Militar para a Justiça Comum, a pedido do próprio MP. Foram feitas denúncias de que boletins de urna falsos teriam sido produzidos, com objetivo de fraudar o resultado da eleição da entidade.

Entretanto, segundo o MPE, não foi levantada qualquer suspeita de problemas no funcionamento regular da urna eletrônica, cedida pela Justiça Eleitoral para ser usada naquele pleito.

“De má fé, o parlamentar mato-grossense falseia a realidade dos fatos, em mais um gesto da sua cruzada pelo retorno do voto impresso, sistema utilizado no passado com ocorrências frequentes de fraudes e manipulação de resultados, o que atentava contra a vontade soberana do eleitor brasileiro de escolher livremente seus representantes”, disse Antônio Borges em uma nota de repúdio ao parlamentar.

Ainda de acordo com o MPE, além de utilizar um documento público do Ministério, tentou associar uma eleição de entidade de médicos com a eleição para cargos públicos, o que não faria sentido.

Essa não é a primeira vez que José Medeiros, que é vice-líder do governo Bolsonaro, é acusado de fake news. O representante mato-grossense compõe a lista de 26 parlamentares são responsáveis por na disseminação de fake news sobre a pandemia da covid-19. A lista é da CPI da Pandemia do Senado Federal.

Outro lado  

Por meio de sua assessoria o deputado José Medeiros disse estar tranquilo e que essa denúncia é “um roteiro que todos já conhece e que não é diferente do que Bolsonaro e seus aliados vem sofrendo”. Ele também disse lamentar o fato do Ministério Público estar agindo por ‘interesses políticos’.

Íntegra da nota:

No momento em que Mato Grosso, o Brasil e o mundo enfrentam uma crise sem precedentes provocada pela pandemia, o procurador-geral do Ministério Público do Estado de Mato Grosso ignora os assuntos de interesse coletivo e age a serviço de forças políticas, que estão preocupadas apenas com o processo eleitoral de 2022. 

Enquanto em Mato Grosso, delegado sofre retaliação por estar cumprindo o seu trabalho, pessoas estão morrendo por falta de leito de UTI e secretário de Estado é avo da CPI da Covid o procurador-geral mantém um silêncio perturbador e uma omissão inexplicável, que nos faz questionar por onde anda a costumeira indignação do MPE e sua imparcialidade política.

Infelizmente, essa narrativa do procurador-geral de taxar a verdade dos fatos de fake news não é diferente dos ataques que estão fazendo contra o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados em todo o país.

Diante da visível perseguição política e do uso da instituição para barrar o debate democrático, o deputado federal José Medeiros vai acionar o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para investigar o possível uso político do MP de Mato Grosso.

Apesar do ocorrido, o parlamentar reafirma seu respeito pela instituição Ministério Público.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Leia Também

Menu