Política

Diap cita 32 candidatos com chances de vitória para federal em MT; veja lista

Um estudo do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) – organização que reúne 900 entidades sindicais brasileiras, com sede em Brasília (DF) -, indica a possibilidade de uma renovação na bancada de parlamentares de Mato Grosso na Câmara dos Deputados. Segundo o levantamento, 7 deputados federais disputam a reeleição – Carlos Bezerra, Juarez Costa e Emanuelzinho, do MDB, José Medeiros e Nelson Barbudo, do PL, o Dr. Leonardo (Republicanos) e Rosa Neide (PT).

Todos estão com chances. São citados 32 candidatos para ocupar oito cadeiras.

Porém, de acordo com o estudo, eles devem enfrentar “políticos experientes que exerceram mandatos como vereadores, prefeitos, ex-deputados”. O Diap realizou uma estimativa das siglas e federações, e seus respectivos candidatos mais competitivos, além do número de vagas segundo o potencial de votos de cada um dos grupos.

Conforme o estudo, o MDB, por exemplo, pode eleger entre três a quatro deputados federais nas eleições de 2022 – Carlos Bezerra, Emanuelzinho, Juarez Costa, Valtenir Pereira, e a veterinária Juliana Rosa Kolankiewicz. Ao menos dois candidatos que possuem potencial de votação expressiva ficaram de fora da lista do partido segundo o Diap – o vereador de Cuiabá, Sargento Vidal, e a ex-candidata a prefeita de São José dos Quatro Marcos, Regina Sabioni.

O União, por sua vez, também pode eleger de um a dois candidatos à Câmara. Foram citados o produtor rural Antônio Bosaipo, o ex-deputado federal, Fábio Garcia, a ex-superintendente do Procon de Mato Grosso, Gisela Simona, e a empresária Marchiane Fritzen.

A sigla, que também abriga o governador Mauro Mendes, e o senador Jayme Campos, possui nomes “badalados” nas candidaturas à Câmara dos Deputados, que não foram “prestigiados” pelo Diap – o ex-chefe do escritório de representação do estado de Mato Grosso (Ermat), Aécio Rodrigues, o Coronel Assis, Túlio Casado Ortopedista, e até o ex-deputado estadual Wagner Ramos. Já no PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, entre dois e três parlamentares devem se eleger em 2022.


Segundo o Diap, o ex-vereador Abílio, a jornalista Amália Barros, os deputados federais José Medeiros e Nelson Barbudo, além da candidata derrotada ao Senado em 2020, Coronel Fernanda, disputam as vagas. O Dr. Aray Fonseca, candidato que declarou um patrimônio de R$ 11 milhões, não foi citado.

O Republicanos, conforme o Diap, pode eleger de 1 a 2 nomes – o vereador de Cuiabá, Eduardo Magalhães, o empresário Felipe Wellaton, e o deputado federal Dr. Leonardo. No PSB, a disputa deve ser uma das mais acirradas em relação aos candidatos de Mato Grosso.

O Diap estima que a sigla deverá eleger, no máximo, apenas um candidato à Câmara dos Deputados em 2022. Além dos nomes lembrados pelo estudo – Allan Kardec, Neuma de Morais, Serys Slhessarenko, e Túlio Fontes -, outros postulantes não “lembrados”, também “correm por fora”, como o Sargento Joelson e Karen Rocha.

O PSD também se encontra em situação parecida, uma vez que deverá correr para eleger seu único nome, conforme o levantamento. Os mais competitivos são Gilmar Fabris, Irajá Lacerda e Maurão. Até mesmo o ex-deputado estadual Pedro Satélite ficou de fora da estimativa feita pelo Diap.

A Federação PT, PC do B e PV também deve eleger somente um parlamentar. Estariam no páreo Julier Sebastião (PT), a deputada federal Rosa Neide (PT), Chico Daltro (PV) e o Dr. Edvaldo (PC do B).

Fecha a lista do Departamento Intersindical a Federação composta pelo PSDB e Cidadania, com Dilmar Callegaro (PSDB), Luciana Santos (PSDB), Ideiva Foletto (Cidadania) e Marco Marrafon (Cidadania). O grupo pode eleger até um deputado federal, conforme o estudo.

Leia Também