Emanuel garante que provará inocência: “pessoa errada, na hora errada”

0
5

Prefeito reafirmou que estava recebendo dívida de pesquisas eleitorais para seu irmão

Da Redação

Prefeito de Cuiabá e candidato à reeleição pela Prefeitura de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), durante entrevista coletiva nessa quarta-feira (23), conversou sobre diversos assuntos, inclusive, sobre a ação em que se tornou réu na Justiça Federal em razão do vídeo em que aparece recebendo dinheiro do ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa, o Silvio Cesar Correa.

Emanuel cita que até mesmo na investigação da Polícia Federal, existem provas de que o dinheiro ao qual ele aparece recebendo no vídeo é referente ao pagamento de uma dívida relacionada a várias  pesquisas realizadas pelo instituto do seu irmão Marco Polo de Freitas Pinheiro, o Popó.

Pinheiro disse ainda, que somente agora poderá falar abertamente sobre o processo, porque antes o caso estava sob sigilo. “Eu sempre falei sobre este caso no passado, mas não me ouviram, não quiseram me ouvir. Existe, um desejo da oposição de me massacrar e não me ouvir. O processo corria em segredo de justiça, e agora, vou mostrar todas as provas que tenho para provar a minha inocência em todo esse mar de lama que foi anunciado com a delação do ex-governador, agora sim, poderei falar mais a vontade. Antes não poderia porque estaria gerando provas contra mim. Sou advogado e professor de direito constitucional, eu sei das minhas responsabilidades e consequências dos meus atos. Vou provas no processo que esse dinheiro era de uma divida do delator com meu irmão Popó. Estavam em uma briga violenta por causa dessa dívida. Eu era a pessoa errada na hora errada. Estavam armando isso para não sei quem e depois pára salvar a delação, um réu confesso teve que me empurrar para a delação. No relatório da PF, consta de fato, não há dúvida de que o Silvio devia ao Popó. Isso porque a  dívida foi executada. Agora, ficou minha palavra com o delator que é um réu confesso, ele vai ter que provar que esse dinheiro era mensalinho ou qualquer recurso ilícito. E eu vou provar que esse recurso era uma dívida de pesquisa” avisou o prefeito.

Por fim, Emanuel diz que  foi ouvido em maio de 2018 pela Polícia Federal e desde então, apresentou provas  de que o valor recebido por Silvio Correa, de fato, se trata de  uma cobrança de uma pesquisa.

“Agora vou falar a verdade. Tentaram jogar a sociedade contra mim, criaram um clima de uma condenação antecipada. Da forma que chegaram as informações na sociedade, deu a impressão de que Emanuel é culpado, uma parte da sociedade me condenou, e agora, começa o processo e terei a condição de provar a minha inocência”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui