CidadesSaúde

Governo dá ordem de serviço para retomada das obras do Hospital Central

Da Redação

O Governo de Mato Grosso deu a ordem de serviço para o Consórcio LC Cuiabá iniciar as obras do Hospital Central de Alta Complexidade, em Cuiabá, que estavam paralisadas há mais de 30 anos. Na manhã desta sexta-feira (06.11), o governador Mauro Mendes e o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, assinaram a ordem de serviço.

A ação integra o Programa Mais MT, que destina aproximadamente R$ 1,18 bilhão à Saúde Pública de Mato Grosso. Com o hospital, a gestão do Estado estima oferecer 1.990 internações, 652 cirurgias, 3.000 consultas especializadas e 1.400 exames por mês. “Estamos aqui para testemunhar essa virada de página histórica daquilo que chamo de uma das maiores vergonhas deste Estado. Uma obra iniciada em 1984, que parou e ficou mais de 30 anos paralisada na cara de todo mundo. O Estado de Mato Grosso era o único estado brasileiro que não tinha na capital um hospital de alta complexidade para atender a saúde pública”, pontuou o governador Mauro Mendes.

Redesenhado pela atual gestão da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), o novo projeto prevê o acréscimo de 23 mil m² à estrutura antiga e contará com o total de 32 mil m² de área construída, sendo que os 9 mil m² do prédio antigo serão aproveitados.

O investimento será de R$ 92.920.748,17 somente na construção do hospital, que conta com um cronograma de aproximadamente 22 meses de execução, com previsão de entrega para novembro de 2022. A proposta apresentada pelo Consórcio LC Cuiabá, vencedor da Concorrência nº 002/2020, foi 20% menor do que a previsão inicial, cujo valor era de R$ 113.977.878,18 para a construção e ampliação.

“Esse é um momento histórico que deve ser comemorado pela população de Mato Grosso. Todo o recurso do Governo está assegurado, a gestão tem recurso para iniciar, terminar e equipar esse importante hospital. Esse é um governo que fez a tarefa de casa e vamos com a certeza de entregar esse hospital daqui 22 meses à população”, declarou o secretário Gilberto Figueiredo.

Leia Também

Menu