Política

Mauro lembra que projetou novo PS e chama EP de incompetente na Saúde

Governador ainda lembra que atual prefeito abandonou Santa Casa

Da Redação

A troca de farpas entre o governador Mauro Mendes (DEM)  e o prefeito de Cuiabá e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB) ganha mais um  round. Ocorre que durante entrevista à Rádio Band FM, na noite desta quarta-feira (4), o democrata chamou  o emedebista de incompetente quando comentava sobre a falta de gestão que levou ao fechamento da Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, que hoje é uma unidade hospitalar estadual.

Mendes também criticou o fato de o prefeito comentar a torto e a direita que terminou a obra do novo Hospital Municipal.  “Eu tenho orgulho daquele hospital, embora, esse prefeito que está aí fique garganteando, mas quem fez aquele projeto foi eu. Eu que fui atrás, licitei aquela obra com muito amor e carinho. Eu estou feliz, não tem problema. Deixa ele gargantear. Eu fico feliz de ver a população com um hospital melhor. Só que eu vou fazer dois grandes hospitais. Enquanto ele  garganteia porque terminou aquele, ele esquece que fechou a Santa Casa. Ele fechou a Santa Casa. Fechou na gestão dele. Incompetente. Então, eu fico feliz de ver o resultado. Como vou ficar feliz de ver o hospital Júlio Muller, outra obra que está parada desde 2013, que nós já licitamos, que já tem vencedora. Nos próximos dias nós vamos dar Ordem de Serviço”, pontou.

Pela manhã, em outra rádio, o prefeito também alfinetou o Mauro ao comentar sobre o afastamento do ex-secretário adjunto da Casa Civil, Wanderson de Jesus Nogueira, que foi preso pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) ao ser flagrado com R$ 20 mil em espécie que seria de uma suposta propina. “Nós também não estamos dispostos ajudar governador desonesto, onde teve propina no gabinete dele, no homem de confiança dele. Então, a sociedade não tolera desonesto, nem na prefeitura e nem no Governo do Estado. Então não tem que haver prefeito desonesto, mas também não pode haver governador desonesto porque ninguém vai tolerar”, disse o emedebista.

SANTA CASA

A Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá anunciou uma paralisação nos atendimentos em março do ano passado. O motivo, disse a diretoria do hospital, seria um suposto calote da Prefeitura de Cuiabá, que se recusava a cumprir um acordo de repasse de R$ 3,6 milhões para custeio de despesas emergenciais. A prefeitura teria dito que não o fez porque uma operação da Delegacia Fazendária estaria em curso.

Segundo a diretoria da Santa Casa, esses quase R$ 4 milhões ajudariam a abater dívidas emergenciais, como 13º e os salários dos três últimos meses dos seus 800 funcionários. Só esse tipo de despesa gera uma folha salarial de R$ 1,5 milhão mensalmente.

Diante situação, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), decretou, no dia 2 de maio de 2019, a requisição administrativa dos bens e serviços da Santa Casa de Misericórdia, assumindo o controle da unidade com objetivo de assegurar os atendimentos de média e alta complexidade aos cidadãos que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia Também

Menu