“Não virei jacaré”, diz 1ª vacinada de MT

G1

Um dia depois de tomar a vacina contra a Covid-19, a técnica de enfermagem Luiza Batista de Almeida Silva, de 43 anos, que é a primeira moradora de Mato Grosso a tomar a vacina, disse nesta terça-feira (19) que não teve nenhuma reação e que está se sentindo bem e brincou que não virou jacaré, numa referência a uma fala do presidente Jair Bolsonaro, sobre supostos efeitos colaterais. “Nem dormi à noite. Confesso que fiquei com medo de virar jacaré, mas a primeira coisa que fiz foi olhar no espelho e vi que eu estava normal”, brincou.

Ela contou que soube nessa segunda-feira (18) que seria a primeira a receber a dose da Coronavac em Mato Grosso, quando estava trabalhando e recebeu uma ligação da supervisora dela, pedindo que ela fosse até o setor de recursos humanos. “Fiquei muito feliz, radiante”, afirmou.

Luiza tomou a vacina durante uma cerimônia simbólica, no Hospital Metropolitano de Várzea Grande, na noite de ontem. Ela aconselha as pessoas a tomarem a vacina. “Vão tomar a vacina, quando for a sua vez, tomem, não vão virar jacarés, fiquem tranquilos”, declarou.

Durante um evento na Bahia, em dezembro, Bolsonaro criticou os defensores da vacina e alegou que a Pfizer não dava garantia de efeitos colaterais da vacina. “Se você virar um jacaré, é problema seu”, disse, na ocasião.

Ela trabalha na linha de frente da Covid-19, no Hospital Metropolitano. Durante a pandemia, Luiza disse que viu muitas pessoas morrerem e situações que fugiam do controle. “Foram momentos muito tristes, de muitas mortes, e situações que fugiam do nosso controle, porque o vírus é invisível. Cada corpo reage de uma forma. Ficamos desesperados diante do sofrimento de cada pessoa”, contou.

Segundo Luiza, a mãe e a irmã pegaram Covid-19, mas que se recuperaram bem.

Atualmente, a profissional atua na linha de frente do combate ao vírus, mais precisamente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid-19 do hospital de referência do estado. Luiza é técnica de enfermagem desde 2011 e ingressou no Hospital Metropolitano em 2019. Ela é mãe de dois filhos e acadêmica do curso de enfermagem.

O ato simbólico do início da vacinação no estado teve a participação do governador Mauro Mendes, da primeira-dama Virginia Mendes, do secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, e de outras autoridades. Mato Grosso recebeu 126.160 doses para atender o público alvo da primeira fase da campanha. Serão vacinadas cerca de 60 mil pessoas, com as duas doses, dentre elas indígenas.

Conforme dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde nesta segunda-feira (18), Mato Grosso registra 200.134 casos confirmados da Covid-19 e 4.815 mortes em decorrência da doença.

O governo de Mato Grosso fez um Plano Estadual de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 em Mato Grosso e prevê, caso necessário, o apoio de seis aeronaves do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

Com o objetivo de promover a adequada logística da vacina, com segurança, efetividade e equidade, a SES vai ampliar a Rede de Frio Estadual e já viabiliza uma Central Estadual e mais quatro Centrais Regionais (Barra do Garças, Cáceres, Rondonópolis e Sinop), assim como a aquisição de equipamentos de refrigeração e frota adequada para distribuição terrestre. O investimento estimado é de R$ 2,2 milhões.

A escolta dos materiais até os 14 polos de distribuição será feita pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e o Ministério da Defesa. Nos casos em que for necessário, o Ciopaer disponibilizará sua frota aérea para dar celeridade à distribuição.

Nos próximos dias, os 141 municípios de Mato Grosso começam a receber as agulhas e seringas que já se encontram em estoque e que serão utilizadas no plano de vacinação contra a Covid-19. A SES também providenciou a aquisição suplementar de 6,5 mil seringas para o enfrentamento de vacinação, com investimento na ordem de R$ 2,8 milhões.

Dez estados começaram a vacinar a população com a CoronaVac nesta segunda-feira (18), após o Ministério da Saúde ter iniciado a distribuição do imunizante contra a Covid-19. Os estados escolheram profissionais de saúde e moradores de abrigo, parte do grupo prioritário da vacina, para receber a primeira dose. A segunda dose deve ser administrada em cerca de 21 dias.