Política

Emanuel se reúne com secretários após retorno

ALLAN MESQUITA

Gazeta Digital

De volta ao comando da Capital, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) convocou uma reunião com alguns secretários, nesta segunda-feira (29), no Palácio Alencastro. O chefe do Executivo passou 37 dias afastados de suas funções após ter sido alvo da Operação Capistrum, que investiga suposto esquema de contratações irregulares na Secretaria Municipal de Saúde.

Conforme apurou o , a primeira a reunião ocorreu com a secretária interina de Saúde, Suelen Danielen Alliend, que assumiu o cargo em agosto deste, após o afastamento do ex-secretário Célio Rodrigues. Na sequência, Emanuel também se reuniu com os secretários, Luis Cláudio Sodré (Governo), Zito Adrien (Planejamento) e Antônio Roberto Possas de Carvalho (Fazenda), e integrantes do Comitê de Enfretamento à Covid-19.

À reportagem, Luis Cláudio afirmou que se trata de uma reunião de atualização sobre o período em que o gestor esteve afastado. “Ele está tomando pé da situação e conhecimento sobre tudo que aconteceu no período em que ele esteve afastado. Não foi uma reunião geral, ele está conversando com os gestores de algumas pastas”, explicou.

Emanuel foi reintegrado ao cargo na última sexta-feira (26), mediante uma decisão do desembargador Luiz Ferreira da Silva do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). Enquanto esteve afastado, a administração da prefeitura ficou sob o comando do vice-prefeito, José Roberto Stopa (PV).

O gestor irá conceder entrevista a imprensa nesta terça-feira (30). Essa vai ser a primeira manifestação publica do comandante do Alencastro após o afastamento.

Operação Capistrum

Deflagrada em 19 e outubro pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco), a Operação Capistrum decretou busca e apreensão e sequestro de bens em desfavor do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro e sua esposa Márcia Aparecida Kuhn Pinheiro, do Chefe de Gabinete Antônio Monreal Neto, da secretária-Adjunta de Governo e Assuntos Estratégicos, Ivone de Souza, e do ex-coordenador de Gestão de Pessoas, Ricardo Aparecido Ribeiro.

Considerado o braço direito de Emanuel desde à época em que o emedebista era deputado estadual, o chefe de gabinete chegou a ser preso em apartamento de luxo, localizado no bairro Santa Helena. Agora, ele usa tornozeleira. Todos os investigados continuam afastados de suas funções públicas.

De acordo com o MPE, os investigados estariam ligados a um esquema está de indicações políticas e contratações temporárias na Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá. Os contratados tinham direito ao benefício do ‘Prêmio Saúde’, que pagavam até R$ 6 mil a mais para os comissionados.

Leia Também

Menu