Cidades

Ônibus lotados são alvos de reclamações em Cuiabá

G1-MT

A Ouvidoria da Secretaria de Mobilidade Urbana de Cuiabá (Semob) recebeu 271 reclamações sobre o transporte público, entre março e dezembro de 2020. As principais são superlotação, má conduta dos motoristas de ônibus e atraso no horário.

As denúncias foram feitas tanto por passageiros quanto pelos próprios motoristas.

Na pandemia da Covid-19, a superlotação torna o transporte público um perigo para o trabalhador.

A infectologista Márcia Hueb relata que os ônibus são ambientes propícios à propagação do coronavírus e que as medidas de biossegurança devem ser mais rigorosas. “As pessoas que usam o transporte público estão mais expostas e sujeitas à infecção do coronavírus, por que a principal medida de prevenção é o distanciamento físico. No transporte as pessoas normalmente ficam aglomeradas”, disse.

O levantamento mostra que no período entre agosto e dezembro houve aumento no número de denúncias.

Os passageiros também reclamaram das más condições dos ônibus e de precariedade nos pontos de parada.

A região sul, no Coxipó, concentra maior número de reclamações.

A infectologista indica o uso de duas máscaras no dia a dia, o que pode reduzir o risco de contaminação em até 96%. “O passageiro pode usar duas máscaras, uma descartável e outra de tecido. A descartável por baixo. Se todos tiverem assim, as chances de contaminação cai a uns 96% e também não colocar a mãos no rosto”, disse a infectologista.

Em janeiro de 2021, a Semob criou um departamento para monitorar pontos de ônibus, placas de sinalizações verticais e horizontais, semáforos e radares para evitar atos de vandalismo.

A prefeitura de Cuiabá diz já ter substituído ou instalado mais de 300 abrigos destinados a embarque e desembarque dos passageiros do sistema de transporte público.

 

Leia Também

Menu