Policial

Preso pela PF, cacique recebia 20% do ouro extraído ilegalmente

 

Um cacique e um chefe da coordenação técnica local da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Aripuanã, a 976 km de Cuiabá, foram presos em uma operação da Polícia Federal e do Ibama nesse domingo (20), suspeitos de terem envolvimento em esquema de extração de ouro ilegal feita por garimpeiros na região.

O cacique é suspeito de receber 20% do ouro extraído da Terra Indígena Aripuanã, da etnia Cinta Larga.

Por causa do difícil acesso, os dois suspeitos só chegaram à sede da Polícia Federal para serem ouvidos na madrugada desta segunda-feira (21).

Além dos dois, um garimpeiro também é investigado por crimes ambientais e contra a administração pública na Terra Indígena, mas está foragido.

A Operação Ato Reflexo foi deflagrada na tarde de domingo para desarticular a associação criminosa. Durante as ações de fiscalização na terra, que fica entre os municípios de Juína e Aripuanã, foram apreendidos dois celulares.

Após a análise dos aparelhos, foi constatado que um servidor da Funai trabalhava como ‘agente duplo’ utilizando a função pública para repassar, previamente, informações a alguns garimpeiros sobre a realização de operações de crimes ambientais realizadas por policiais federais e pelo Ibama. (G1)

Leia Também

Menu