Scheidt encerra o período de preparação de 2020 em Portugal

Robert Scheidt desembarcou em Portugal nessa quinta-feira (3) para um período de treinos e competição na classe Laser. É a chance de encerrar 2020 fazendo o que mais gosta, após um ano difícil, no qual a pandemia interrompeu boa parte da preparação e adiou o principal evento esportivo da temporada, a Olimpíada de Tóquio, transferida para o próximo ano, quando o velejador se tornará recordista brasileiro, com sete em participações nos Jogos.

Scheidt vai realizar a última etapa de preparação do ano em Vilamoura. Além de treinar, o bicampeão olímpico vai competir no 3rd Portugal Grand Prix – round 1, entre 8 a 12 de dezembro. “Espero que corra tudo bem. O objetivo é treinar contra os melhores da Europa e aproveitar o campeonato para ganhar ritmo. Este foi um ano totalmente atípico, no qual tive poucas chances de velejar e estou animado com a possibilidade de voltar a competir e terminar 2020 disputando regatas”, afirma o maior medalhista olímpico do Brasil, com cinco pódios, que é patrocinado pelo Banco do Brasil e Rolex e que conta com o apoio do COB e CBVela.

O bicampeão olímpico explica porque escolheu finalizar os treinos de 2020 na região do Algarve, no sul de Portugal. “Vilamoura é hoje um grande centro de treino de inverno em função da temperatura ser mais amena nos meses de inverno. Além disso, oferece boas condições de velejada, com mar aberto e ondas no oceano Atlântico. Com bom regime de ventos, os melhores atletas do continente costumam vir para a cidade nessa época do ano”, analisa Robert Scheidt.

O Portugal Grand Prix será a segunda competição de Scheidt desde o início da pandemia. Em setembro, o bicampeão olímpico conquistou o vice-campeonato italiano da classe Laser, em Follonica, na região da Toscana. O título não veio por apenas um ponto. Ele venceu a última regata do campeonato que reuniu 45 velejadores de oito países. Com isso, terminou com 12 pontos perdidos, enquanto o norte-americano Charlie Buckinghan, ficou em 11.

Desafio olímpico – Scheidt retornou à classe Laser em 2019, após quase três anos ausente, desde os Jogos do Rio/2016, onde terminou na quarta colocação mesmo vencendo a medal race. Nesse período de readaptação às novas técnicas e nova mastreação, cumpriu seu objetivo principal, que foi o índice para Tóquio, com o 12° lugar no Campeonato Mundial da Classe Laser 2019, em Sakaiminato, no Japão. Ele confirmou a vaga no Mundial da Austrália, em fevereiro, quando chegou à flotilha ouro e foi o melhor brasileiro na disputa.

Maior atleta olímpico brasileiro – Eleito, em março de 2020, o maior atleta olímpico do Brasil, em votação coordenada pela Rede Globo com os maiores medalhistas olímpicos do País. Na comemoração dos 100 anos de história do Brasil nos Jogos Olímpicos, no início de agosto deste ano, ficou em segundo lugar em votação de 100 jornalistas, atrás apenas de Adhemar Ferreira da Silva e à frente de Joaquim Cruz, seus ídolos que muito o inspiram.

Cinco medalhas:
Ouro : Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na Classe Laser)
Prata : Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze : Londres/2012 (Star)

181 títulos – 89 internacionais e 92 nacionais