Secretário vê decisões lunáticas de EP e questiona contratação de TV e drones

Mauro Carvalho lembra que Estado abriu 300 leitos de UTI e capital nada até agora

Da Redação

O secretário chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, desafiou o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, a provar o que fez com os R$ 25 milhões que recebeu do Governo Federal para combater à Pandemia do Coronavírus. “Qual foi a UTI criada pela atual gestão da prefeitura de Cuiabá para combater o Coronavírus? Cuiabá recebeu R$ 25 milhões do Governo Federal e não temos a notícia de abertura de nenhum leito novo na cidade. Toda a estrutura existente já estava aqui em funcionamento desde o mês de fevereiro antes da chegada do coronavírus em Cuiabá”, questionou Mauro Carvalho.

O secretário ainda destacou que com menos recursos enviados pelo Governo Federal, o Estado construiu, do zero, 210 leitos hospitalares, sendo 30 UTIs, exclusivos para o tratamento da covid-19, no novo Hospital Metropolitano de Mato Grosso e mais 50 leitos exclusivos Covid no Hospital Estadual Santa Casa. No interior, foram 10 UTIs em Rondonópolis, 10 em Sinop e “estamos trabalhando para abrir mais 70 leitos de UTIs em todas as regiões como Água Boa, Peixoto de Azevedo, Tangará da Serra, Confresa, Cáceres, Juína e Barra do Garças”.

“Tudo isso são leitos novos que o governo do Estado está abrindo ou sozinho ou em parceria com prefeitos comprometidos com a população. Agora aqui em Cuiabá o que temos são decisões lunáticas com a contração de  drones a preços absurdos e de uma TV de seus parceiros políticos para a transmissão de aulas para os alunos, enquanto o Estado faz gratuitamente pela TV Assembleia”, afirmou.

Mauro Carvalho ainda ressaltou que o governo não ficou apenas na dependência do recurso federal, mas aportou dinheiro da própria arrecadação para o combate à pandemia. Como a compra de mais de 20 mil testes para confirmação  da covid-19, equipamentos como respiradores e monitores, camas hospitalares, máscaras e capotes, entre outros.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.