Agronegócio

Sem retomar vendas de carne para China, exportações podem cair até 10%

O Brasil está há seis semanas sem exportar carne bovina para a China, após o país registrar dois casos atípicos de ‘mal da vaca louca’. Sem expectativa de um posicionamento oficial do governo chinês, o setor brasileiro já sente os impactos no mercado interno de carne bovina, cenário que também pode se estender para o mercado externo, segundo o analista de mercado da Agrifatto, Yago Travagini.

“Nós tínhamos um cenário antes e depois bloqueio chinês. Antes do embargo, caminhávamos para superar o volume de carne exportada em 2020, com alta de até 4%, enquanto a receita poderia crescer até 20%. Mas, com a saída chinesa, o número de exportação será menor neste ano em volume. Provavelmente teremos uma queda na casa dos 8% a 10% nas exportações de carne bovina”, destaca.

Ainda de acordo com Travagini, o cenário só não é pior para o Brasil porque a China exportou um bom volume de carne bovina no acumulado dos primeiros nove meses do ano.
Além da carne, ausência chinesa afeta preço do boi

Além das exportações, a ausência da China no mercado brasileiro de carne bovina provocou significativa queda nos preços do boi gordo. Segundo o analista, atualmente, o valor da arroba busca um valor de referência.

“A China é responsável até 60% das nossas exportações, ou 15 a 20% da nossa produção em 2021. Com isso, quando ela sai do mercado é normal que a gente sinta essa ausência. Observamos agora que os preços voltaram para uma referência do mercado interno. Se antes tínhamos R$ 310 ou R$ 305 a arroba, era porque o mercado exportador estava forte e pagava mais. No entanto, hoje o balizador de preços é o mercado interno. Os valores da carne de R$ 17,50 a R$ 18 sustentam os preços em R$ 265 a R$ 270. (Canal Rural)

Leia Também

Menu