Cidades

Sema reforma vigilância no Parque Estadual Serra Azul para coibir crimes ambientais

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), por meio da Gerência Regional do Parque Estadual da Serra Azul e da Área de Preservação Ambiental (APA) Pé da Serra Azul, localizados em Barra do Garças (a 516 km de Cuiabá), ampliou a vigilância por vídeo com a construção de uma Base de Monitoramento. As câmeras de segurança estão dispostas estrategicamente, captando imagens nos locais de maior risco de crimes ambientais. O objetivo é aumentar a proteção das unidades de conservação.
A gerente do Parque, Cristiane Schnepfleitner, destaca que desde 2020 a tecnologia já é utilizada para prevenir as ações criminosas na localidade, no entanto, a base de monitoramento foi criada em 2022.  A intenção para o próximo ano é que a cobertura por videomonitoramento no Parque e a APA fique próxima 100%, reduzindo, assim, as ações criminosas nos locais.

A ação também faz parte da preparação e prevenção para o próximo período de estiagem, quando a área sofre com maiores riscos de incêndio.


Câmeras mostram com precisão início do foco de calor
Créditos: Gerência Parque Serra Azul/Sema-MT
Base de monitoramento
A base de monitoramento é uma sala onde ocorre toda a vigilância por câmeras de segurança dispostas no Parque. Também foram criadas duas salas para o desenvolvimento dos trabalhos administrativos, um local para manutenção e almoxarifado para equipamentos de combate a incêndio e demais ações.
Desde o ano de 2020, a gerência utiliza um sistema de vigilância por câmeras denominado “Olho de Águia”, com câmeras de vigilância Speed Dome, que captam imagens de longa distância com acentuado poder de aproximação (zoom) e rotação 360.º, e que estão em localizações estratégicas e seguras.
Há também os “Falcões”, que são as câmeras fixas que também estão em locais estratégicos e que serão ampliadas para a fase denominada “Vizinho Monitor”, na qual ocorre a instalação de modo provisório nas residências de pessoas que moram próximo ao parque, em locais de risco.

Isso permite que, no período de maior estiagem e risco de incêndio, a equipe possa receber o alerta de focos de calor a tempo de deslocamento e combate, e ainda identificar o infrator que causou o incêndio. Neste projeto, a população colabora disponibilizando a internet e energia para instalação provisória do sistema. A cada ano vem aumentando o efetivo que deseja participar das ações protetivas.

A ação foi criada com apoio do Programa Nacional Copaíbas do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). Em Mato Grosso, o recurso destinado é de R$ 7,2 milhões, que contemplam quatro unidades do Bioma Cerrado, de Proteção Integral, que somam 284,7 mil hectares.

Unidade de Conservação

O Parque Estadual da Serra Azul é uma unidade de Proteção Integral, com 11 mil hectares de Cerrado. O local também é um dos cartões postais da cidade de Barra do Garças, com uma escadaria de 1.204 degraus que dá acesso ao Cristo Redentor, trilhas e cachoeiras.

Leia Também

Comentários